quarta-feira, 16 de Junho de 2010

Os vossos trabalhos estão muito bons

Quero deixar aqui uma palavra de apreço pelos vossos trabalhos sobre a biodiversidade e o Estuário do Tejo.
Acho que estão muito bons.

Se quiserem, podem continuar a colocar informação que achem que tem a ver com estes assuntos.

Muito obrigada a todos.
E parabéns!


Carla Graça
(Projecto Bio-Local)

quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Garça




Caracterização:

É a maior de todas as garças que ocorrem em Portugal, tendo 90–98 cm de comprimento e 175–195 cm de envergadura. Ave de patas longas e pescoço muito comprido que termina num bico em forma de punhal. Apresenta a cabeça e pescoço esbranquiçados com marcas escuras que contrastam com as asas e dorso cinzentos. Em voo, recolhe o pescoço em forma de “S”, distinguindo-se assim das cegonhas que voam com o pescoço estendido.

A Garça-real ocorre em habitats de água doce pouco profunda, com árvores nas margens. Prefere zonas de margens pouco inclinadas, não obstruídas por vegetação muito densa. Estas incluem rios, ribeiros, deltas, pântanos, estuários, lagos, represas, albufeiras, zonas inundadas, lagoas de aquacultura, arrozais, campos irrigados, valas, canais, diques, lagoas de ETARs e, raramente, lixeiras. Nidifica em colónias, embora por vezes o faça isoladamente. Constrói o ninho em árvores, escarpas ou ilhas, sempre em zonas sossegadas.

Alimenta-se de peixe, anfíbios, pequenos mamíferos, répteis, insectos e, ocasionalmente, crustáceos, moluscos, minhocas e aves.

Esta ave tem uma distribuição bastante alargada, podendo ser encontrada desde o norte de África até à Escandinávia. As populações que se reproduzem na Península Ibérica e nas ilhas Britânicas são sedentárias, enquanto as restantes populações Europeias são migradoras, invernando na bacia Mediterrânica, Médio Oriente e mesmo em África, a Sul do deserto do Sara.



Conservação:

Esta espécie encontra-se em expansão na Europa, embora os seus efectivos populacionais possam sofrer drásticas reduções em invernos rigorosos. No nosso país, a Garça-real é principalmente uma espécie invernante, embora exista uma pequena população reprodutora de 200-300 casais. As principais ameaças a esta espécie são a destruição do habitat e a perseguição humana.



Curiosidades:

Na ROM, a Garça-real pode ser observada a descansar nos rochedos que se encontram ao largo da praia e alimentando-se na laguna terminal da ribeira de Silvares.


TRABALHO REALIZADO POR: ANA ALMEIDA Nº2 6ºA

quarta-feira, 9 de Junho de 2010

Reserva Natural do Estuário do Tejo

A Reserva Natural do Estuário do Tejo, criada em 1976, situa-se a Norte de Alcochete, ocupando uma superfície de 14.560 hectares, abrangendo uma extensa área de águas estuarinas, zonas de lamas e sapal, salinas, mouchões (da Póvoa, Alhandra e Lombo do Tejo) e terrenos agrícolas.

Considerada uma das reservas naturais mais importantes da Europa, é a zona húmida mais extensa do país com uma grande biodiversidade e variedade de habitats e uma das maiores extensões contínuas de sapal.
O estuário do Tejo funciona como local de cria para peixes, caso do Linguado e do Robalo. Para peixes migradores como a Lampreia, a Savelha e a Enguia o Tejo é local de transição entre o meio marinho e o fluvial.
Devido à sua localização, esta zona húmida é uma área de eleição para diversas espécies da avifauna. O Flamingo, a Águia-sapeira e o Ganso-bravo-comum, com populações variáveis, também frequentam estas paragens.
Lontra, Touro, Rato-de-cabrera, Cavalo de lide, entre muitas outras espécies de mamíferos também habitam o território desta Reserva.
Dentro da Reserva Natural do Estuário do Tejo foram demarcadas duas reservas integrais: a Reserva Integral do Mouchão do Lombo do Tejo, que visa a protecção da nidificação de algumas espécies, e a Reserva Integral de Pancas, da qual faz parte a maior mancha de sapal do estuário que se desenvolve entre a foz do Rio Sorraia e Alcochete.
Num cenário paradisíaco único, a Reserva Natural do Estuário do Tejo faz como Lisboa seja a única capital europeia a possuir, diante de portas, uma reserva natural desta importância.

André Cavaco e Nuno Castelo

Estuário do Tejo







Nas margens do estuário desenvolve-se o sapal, cuja comunidade florística vive sob a influência das águas trazidas pela maré.

O Concelho de Alcochete apresenta uma das zonas húmidas mais extensas do país classificada como Reserva Natural, um estatuto que lhe foi atribuído devido à diversidade de aves migratórias que por ali passam.

Em alturas de migração, a Reserva Natural do Estuário do Tejo é local de abrigo para mais de 120.000 aves, com destaque para a comunidade de flamingos que, durante todo o ano, embelezam e dão cor a este local.
Para além da comunidade de avifauna, a Reserva Natural é ainda caracterizada pela existência de vestígios que remetem para actividades tradicionais do Concelho. Um bom exemplo são as Salinas do Samouco que revelam a todos os visitantes vestígios da actividade salineira, outrora considerada uma das maiores actividades económicas do Concelho.


Trabalho realizado por:

Catarina Varela Nº7 5ºC

Mafalda Ferreira Nº16 5ºC
Mariana Rosa Nº17 5ºC

Biodiversidade

O que é a biodiversidade?

Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem.
Ela pode ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos: ecossistema, comunidade, espécies, populações e genes em uma área definida. A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.



Porque é importante a biodiversidade?

A biodiversidade tem valores económicos, sociais, culturais, recreativos, estéticos e científicos.
Os ecossistemas podem conter espécies com potenciais uso medicinais, alimentares ou como fonte de matéria-prima para as actividades produtivas humanas.

Portanto, a biodiversidade é a base das actividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras, florestais e a base para a estratégica indústria da biotecnologia.

Além disso, as espécies como componentes dos ecossistemas fazem parte dos sistemas de fluxo de energia e matéria da Terra.

As funções ecológicas desempenhadas pela biodiversidade são ainda pouco compreendidas, contudo há evidências de que tenham uma actuação importante na manutenção dos serviços ecológicos e no funcionamento global dos processos naturais, mantendo as várias formas de vida e a biosfera apropriada para a vida.


Realizado por:
Inês Mestre Nº17 6ºA

Biodiversidade





















O que significa Biodiversidade?


A Biodiversidade significa o número e a variedade de espécies presentes em um lugar, uma região ou um país. Cada lugar tem um conjunto próprio e único de seres vivos que o diferencia de outros lugares. Actualmente muitas das actividades humanas estão modificando os ambientes e colocando em risco a existência das muitas espécies de plantas e animais. Mas não queremos uma Terra pobre em espécies.
É preciso conhecer para valorizar e querer proteger, para conservar. Para isso é preciso que comecemos muito cedo, desde pequenos, a descobrir a beleza, a importância e o valor da nossa fauna e da nossa flora, começando pelo lugar em que vivemos, pelo bairro, pelo município, pelos nossos rios e pelos nossos lagos.
















O que é a Biodiversidade?


A Biodiversidade é uma diversidade biológica significa a variabilidade de organismos vivos de todas as origens, compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas. (Artigo 2 da Convenção sobre Diversidade Biológica)
Mais claramente falando, diversidade biológica, ou biodiversidade, refere-se à variedade de vida no planeta terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, hábitats e ecossistemas formados pelos organismos. Biodiversidade refere-se tanto ao número (riqueza) de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitabilidade) dessas categorias; e inclui variabilidade ao nível local (alfa diversidade), complementaridade biológica entre hábitats (beta diversidade) e variabilidade entre paisagens (gama diversidade). Biodiversidade inclui, assim, a totalidade dos recursos vivos, ou biológicos, e dos recursos genéticos, e seus componentes.
A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso potencial de uso econômico. A biodiversidade é a base das atividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras e florestais e, também, a base para a estratégica indústria da biotecnologia. As funções ecológicas desempenhadas pela biodiversidade são ainda pouco compreendidas, muito embora considere-se que ela seja responsável pelos processos naturais e produtos fornecidos pelos ecossistemas e espécies que sustentam outras formas de vida e modificam a biosfera, tornando-a apropriada e segura para a vida. A diversidade biológica possui, além de seu valor intrínseco, valor ecológico, genético, social, econômico, científico, educacional, cultural, recreativo e estético. Com tamanha importância, é preciso evitar a perda da biodiversidade.
















Trabalho realizado por:

Ana Catarina Leal Correia nº1 6ºA

Biodiversidade


A Biodiversidade ou diversidade biológica é a diversidade da natureza viva. A Biodiversidade traduz-se na quantidade de espécies de seres vivos existentes no planeta .
Existem espécies adaptadas a ambientes tão diversos como o gelo da Antárctida ou fontes submarinas com a actividade vulcânica e temperaturas superiores a 100ºC.
Ainda há poucos conhecimentos sobre a Biodiversidade do planeta .
Calcula-se que existam entre 10 a 20 milhões de espécies de animais diferentes , das quis só 10% estão estudadas a nível cientifico .
O Homem é o principal responsável sobre a perda da biodiversidade .





Exemplos da acção do homem e as suas consequências na biodiversidade do planeta:
: Eliminação ou alteração do habitat pelo homem.
: Exploração comercial - ameaça muitas espécies marinhas e algumas terrestres.
: Poluição das águas, solo e ar.
: Introdução de espécies exóticas - ameaçam os locais por redacção, competição ou alteração do habitat natural.
A diversidade biológica apresenta um papel fundamental para a espécie humana , aproximadamente 40% da economia mundial e 80% das necessidades dos povos dependem dos recursos biológicos.
Devido essencialmente a actividades humanas como a agricultura, a pesca, a indústria e aos transportes , observa-se que os ecossistemas se encontram, a um nível global, cada vez mais ameaçado, com a diminuição da biodiversidade.
Esta tendência pode vir a ter , profundas implicações no desenvolvimento económico e social da comunidade humana ,pois é frequente acompanhada por profundas alterações ambientais.





by: Petra Micaela Marques Da Silva : nº23: 6ºA



Um alfaiate prepara-se para comer alguns doces, mas quando moscas decidem pousar sobre eles, ele mata sete delas com um golpe. Ele faz um cinto que descrever a ação, "Sete com um golpe". Inspirado, ele sai pelo mundo para fazer fortuna. O alfaiate acaba conhecendo um gigante, que presume que "Sete com um golpe" se refere a sete homens. O gigante desafia o alfaiate. Quando o gigante espreme a água de um rochedo, o alfaiate espreme a água (ou soro) de um queijo. O gigante atira uma pedra no ar e esta demora para cair. Os alfaiate, para superar o feito do gigante, lança um pássaro que voa para longe, o gigante acredita que o pequeno pássaro é uma "pedra" que é jogada tão longe que nunca cai. O gigante pede que o alfaiate o ajude a carregar uma árvore. O alfaiate fala para o gigante carregar o tronco, enquanto que o alfaiate levaria os ramos. Em vez disso, o alfaiate sobe em cima da árvore, fazendo com o gigante o carregue também.
O gigante leva o alfaiate a sua casa, onde outros gigantes também vivem. Durante a noite, o gigante tenta matar o alfaiate. No entanto, o alfaiate, tendo achado sua cama muito grande, dorme no canto. Ao vê-lo ainda vivo, os outros gigantes fogem.
O alfaiate entra no serviço real, mas os outros soldados têm medo de que ele vai perder a paciência um dia, e com isso sete deles poderiam morrer a cada golpe. Eles se dirigem ao rei e pedem para o rei mandar o alfaiate embora, senão eles irão. Com medo de ser morto por mandá-lo embora, o rei envia o alfaiate para derrotar dois gigantes, oferecendo-lhe metade de seu reino e a mão de sua filha em casamento. Atirando pedras contra os dois gigantes enquanto eles dormem, o alfaiate provoca o par em combates entre si. O rei, então, envia-o atrás de um unicórnio, mas o astuto alfaiate cria uma armadilha para prender o unicórnio numa árvore, de modo que quando o unicórnio vier atacá-lo, ele sairá da frente fazendo com que o unicórnio acerte seu chifre no tronco. O rei posteriormente envia-o atrás de um javali selvagem, mas novamente o alfaiate cria uma armadilha, prendendo o animal em uma capela.
Com isso, o rei casa o alfaiate com sua filha. Já casados, uma noite, a mulher do alfaiate ouve-o falar durante o sono e percebe que ele é apenas um alfaiate. Ela conta tudo a seu pai, e o rei promete que irá mandá-lo embora. Um escudeiro adverte o alfaiate, que finge estar dormindo e diz que fez todos os atos e não tem medo dos homens atrás da porta. Apavorados, eles saem, e o rei não tenta novamente mandá-lo embora.

Trabalho Realizado Por:Ricardo Frade

O Alfaitate



O Alfaiate, da família Recurvirostridae, é uma ave de tamanho medio , que possui uma plumagem de cor branca e preta, o seu é bico preto e fino e fortemente encurvado para cima e as suas patas são de cor cinzentas ou azuladas. É uma espécie colonial, ocasionalmente solitária. Os adultos tendem a regressar para os mesmos locais de nidificação de anos anteriores. O casal é monogâmico de duração sazonal, os seus ninhos são instalados no solo ou em vegetação rasteira, mas sempre perto de água. As crias são precoces e nidífugas, isto é, são capazes de sair do ninho quando eclodem, e que têm capacidade de se auto-alimentarem.
Estão principalmente associados a habitats aquáticos, como estuários, salinas, zonas de vasa entre marés, baías pouco profundas, lagoas costeiras, albufeiras de regiões interiores.
É uma espécie com uma distribuição desde o Minho até ao Algarve, sendo que os melhores locais de observação são as IBA’s (Important bird areas) do Estuário do Tejo, do Estuário do Sado e a da Ria Formosa, onde existem as maiores concentrações do país.
É classificado do ponto de vista trófico, como carnívoro, pois alimenta-se de uma grande variedade de invertebrados aquáticos (insectos, crustáceos e anelídeos), mas também de peixes de pequena dimensão.
Os Alfaiates vêm a Portugal passar o Inverno, sendo essa a melhor altura para serem observados. No sul do país, podem também ser observados alguns indivíduos reprodutores na Primavera e no Verão.
O principal factor de ameaça para esta espécie está relacionado com a perda e distúrbio do seu habitat. O crescente interesse sobre a faixa litoral para a instalação de complexos turísticos, tem afectado zonas habituais de descanso, alimentação e nidificação desta espécie, quer pela destruição ou alteração do habitat, quer pelo aumento da perturbação de toda a zona envolvente. Outros factores de preocupação estão com a contaminação das águas, poluição, predação dos ovos por animais domésticos e selvagens e eventualmente caça .
Espécie caracterizada por se concentrar em relativamente poucos locais de invernada, com apenas 10 locais atinguido 90% da população invernante na Europa, o que o torna relativamente vulnerável. A população nidificante em Portugal tem o estatuto de Quase Ameaçada e a população invernante de Pouco Preocupante. Em termos de estatuto de ameaça a nível da Europa, o Alfaiate é considerado Não Ameaçado.



Margarida Capelo nº21 6ºA

A Garça

É UMA AVE DE GRANDE DIMENSÃO, ROBUSTA E MAJESTOSA.
A SUA COLORAÇÃO É ACIZENTADA.
O SEU BICO É DIREITO E MUITO FORTE.
Habita em vários habitats.
Peso: 600 a 1200kg
É uma ave especial, portanto tem de ser preservada.

A Garça

É UMA AVE DE GRANDE DIMENSÃO, ROBUSTA E MAJESTOSA.
A SUA COLORAÇÃO É ACIZENTADA.
O SEU BICO É DIREITO E MUITO FORTE.
Habita em vários habitats.
Peso: 600 a 1200kg
É uma ave especial, portanto tem de ser preservada.

BIODIVERSIDADE


Biodiversidade ou diversidade biológica é a diversidade da natureza viva. Desde 1986, o termo e conceito têm adquirido largo uso entre biólogos, ambientalistas, líderes políticos e cidadãos informados no mundo todo. Este uso coincidiu com o aumento da preocupação com a extinção, observado nas últimas décadas do Século XX.
Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Ela pode ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos: ecossistema, comunidade, espécies, populações e genes em uma área definida. A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.
Refere-se à variedade de vida no planeta Terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna, de fungos macroscópicos e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, habitats e ecossistemas formados pelos organismos.


}A Biodiversidade refere-se tanto ao número (riqueza) de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitatividade) dessas categorias. E inclui variabilidade ao nível local (alfa diversidade), complementaridade biológica entre habitats (beta diversidade) e variabilidade entre paisagens (gama diversidade). Ela inclui, assim, a totalidade dos recursos vivos, ou biológicos, e dos recursos genéticos, e seus componentes.
}A espécie humana depende da Biodiversidade para a sua sobrevivência.
}Não há uma definição consensual de Biodiversidade. Uma definição é: "medida da diversidade relativa entre organismos presentes em diferentes ecossistemas". Esta definição inclui diversidade dentro da espécie, entre espécies e diversidade comparativa entre ecossistemas.
}Outra definição, mais desafiante, é "totalidade dos genes, espécies e ecossistemas de uma região". Esta definição unifica os três níveis tradicionais de diversidade entre seres vivos:
}diversidade genética - diversidade dos genes em uma espécie.
}diversidade de espécies - diversidade entre espécies.
}diversidade de ecossistemas - diversidade em um nível mais alto de organização, incluindo todos os níveis de variação desde o genético.

}A Reserva Natural do Estuário do Sado ocupa uma área total de 23.160 hectares, integrados nos concelhos de Setúbal, Alcácer do Sal, Grândola e Palmela, tendo sido criada por meio do Decreto-Lei nº 430/80, de 1 de Outubro, devido à poluição que afecta o estuário do Sado e ao perigo de danificar o património natural de interesse botânico e faunístico existente. Está também classificada como Biótopo CORINE.
}É um local de nidificação, repouso ou invernagem para diversas aves como por exemplo cegonhas, flamingos e patos, e de desova, desenvolvimento e crescimento de vários peixes e do roaz-corvineiro.
}Hoje existe um moinho de água chamado Moinho de Maré da Mourisca que é um moinho de água, que graças a sua pequena porta de água faz rodar as pás e produz farinha, e com os fornos pão. Atualmente também acolhe festas de anos.
}É no estuário do Sado que se encontram os estaleiros navais da Mitrena (ex-Setnave) actual centro laboral da Lisnave.

Estuário do Tejo



Os antigos sempre viram o estuário do Tejo como um rio “piscoso”, os estuários compreendem grande parte das zonas piscatórias mais importantes do mundo e, até há bem pouco tempo, o peixe vendido em Lisboa era do estuário, mas nas últimas décadas esta realidade modificou-se...

A poluição que afecta as águas do Estuário do Tejo tem três origens.

- Águas residuais resultantes dos hábitos diários de higiene e da actividade doméstica dos 2 milhões de habitantes que residem na zona do Estuário.

- Lançamento de uma grande quantidade de resíduos industriais, por vezes sem o adequado tratamento. Estes contêm substâncias por vezes não biodegradáveis e elementos tóxicos que afectam a qualidade da água no Estuário do Tejo.

- Descarga indirecta nas águas do Estuário dos excessos de nutrientes aplicados na agricultura e não consumidos pelas plantas.

Esta origem inclui ainda uma grande número de substâncias tóxicas utilizadas como pesticidas aplicados na agricultura e cujo excesso acaba por ser transportado para o Estuário pelas águas da chuva.
Para agravar a situação actual contribui, além das águas residuais de grandes aglomerados populacionais e das indústrias, a afluência de várias linhas de água, nomeadamente o Rio Real, o Rio Coina e o Rio da Moita que se encontram fortemente poluídos.

Curiosidade: Sabias que os sacos de plástico e as pastilhas elásticas, apesar de bastante comuns para nós, o ser humano, são das maiores causas de morte de algumas aves dentro e fora do estuário do Tejo? Na próxima vez que pensares em deitar a tua pastilha para o chão, pensa nas aves que puderam morrer asfixiadas com essa mesma pastilha.

Com pouco fazemos muito, vamos ajudar a preservar




Trabalho realizado por: Beatriz Gomes, nº7, 6ºA.

Reserva Natural do Estuário do Tejo



O estuário do Tejo é a maior zona húmida do nosso país e uma das mais importantes da Europa. Conhecida como um santuário de peixes, moluscos, crustáceos e, sobretudo, de aves, que o utilizão como ‘’paragem’’ o mesmo foco migratório entre o Norte da Europa e a África. É o maior estuário da Europa Ocidental, com cerca de 34 mil hectares, e alberga regularmente 50 mil aves aquáticas, nueádamente flamingos, patos, aves limícolas1),...


A Reserva Natural foi criada em 1976. Abrange uma área de 14.192 hectares e é caracterizada pela sua extensa superfície de águas estuarinas, campos de limo sinuoso,com mouchões(2), sapais, salinas e terrenos alagados pelas enchentes.
Sem exceder os 11 metros acima do nível do mar, nem uma profundidade de 10 metros, a reserva está distribuída pelos concelhos de Alcochete, Benavente e Vila Franca de Xira, está também inserida na zona mais montante do estuário do Tejo que, se estende por uma área de cerca de 32 km2, sendo o maior da Europa Ocidental.


Nas margens do estuário desenvolve-se um sapal, cuja florestação vive sob a influência das águas trazidas pelas marés. É uma região abundante a nível de poliquetas(3), moluscos e crustáceos, constituindo, assim, uma autêntica maternidade para várias espécies de peixes. Mas são as aves aquática que atribuem ao estuário a sua importância internacional. As especies que abitam na reserva durante todo a ano chegam a atingir cerca de 120 mil. As contagens regulares indicam que invernam(4) nesta área mais de 10.000 anatídeos(5) e 50.000 limícolas, das quais se destaca o Alfaiate Recurvirostra Avosetta, com um número que pode ascender a 25% da população invernante na Europa. Muitas outras espécies atestam igualmente a riqueza biológica e o valor para a Conservação da Natureza desta região: o Flamingo Phoenicopterus Ruber, o Ganso-bravo Anser anser, o Pilrito-de-peito-preto Calidris Alpina, e o Milherango Limosa limosa.

(1) Limicula que vive no lodo
(2) Mouchão terreno arborizado e um tanto elevado, no meio de lezírias; pequena ilha nos rios ou à beira-mar, formada pela acumulação de aluviões.
(3) Poliquetas grupo de animais anelados, quetópodes, cujas sedas locomotoras estão dispostas em grupos inseridos em parápodes
(4) Invernar passar o Inverno (em lugar próprio para escapar aos seus rigores); hibernar.
(5) Anatídeos família de aves palmípedes a que pertencem os patos, marrecos, etc., cujo género-tipo designa-se Anas.


Trabalho realizado por: Joana Costa Sequeira, nº 19 6ºA, 8 de Junho de 2010

Escola D.João I, Baixa Da Banheira

A Biodiversidade







Trabalho Realizado por:
Cheila Alexandra Loureiro Maria nº10 6ºA

O que é a biodiversidade?
O termo biodiversidade - ou diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial consumida pelo ser humano.
Para entender o que é a biodiversidade, devemos considerar o termo em dois níveis diferentes: todas as formas de vida, assim como os genes contidos em cada indivíduo, e as inter-relações, ou ecossistemas, na qual a existência de uma espécie afecta directamente muitas outras.A diversidade biológica está presente em todo lugar: no meio dos desertos, nas tundras congeladas ou nas fontes de água sulfurosas.·A diversidade genética possibilitou a adaptação da vida nos mais diversos pontos do planeta. As plantas, por exemplo, estão na base dos ecossistemas.Como elas florescem com mais intensidade nas áreas húmidas e quentes, a maior diversidade é detectada nos trópicos, como é o caso da Amazónia e sua excepcional vegetação.
Quantas espécies existem no mundo?

Não se sabe quantas espécies vegetais e animais existem no mundo. As estimativas variam entre 10 e 50 milhões, mas até agora os cientistas classificaram e deram nome a somente 1,5 milhões de espécies.Entre os especialistas, o Brasil é considerado o país da "mega diversidade": aproximadamente 20% das espécies conhecidas no mundo estão aqui. É bastante divulgado, por exemplo, o potencial terapêutico das plantas da Amazónia.
Quais as principais ameaças à biodiversidade?
A poluição, o uso excessivo dos recursos naturais, a expansão da fronteira agrícola em detrimento dos habitats naturais, a expansão urbana e industrial, tudo isso está levando muitas espécies vegetais e animais à extinção.A cada ano, aproximadamente 17 milhões de hectares de floresta tropical são desmatados. As estimativas sugerem que, se isso continuar, entre 5% e 10% das espécies que habitam as florestas tropicais poderão estar extintas dentro dos próximos 30 anos.A sociedade moderna - particularmente os países ricos - desperdiça grande quantidade de recursos naturais. A elevada produção e uso de papel, por exemplo, é uma ameaça constante às florestas.A exploração excessiva de algumas espécies também pode causar a sua completa extinção. Por causa do uso medicinal de chifres de rinocerontes em Sumatra e em Java, por exemplo, o animal foi caçado até o limiar da extinção.A poluição é outro grave ameaça à biodiversidade do planeta. Na Suécia, a poluição e a acidez das águas impede a sobrevivência de peixes e plantas em quatro mil lagos do país.A introdução de espécies animais e vegetais em diferentes ecossistemas também pode ser prejudicial, pois acaba colocando em risco a biodiversidade de toda uma área, região ou país.Um caso bem conhecido é o da importação do sapo Curaurú pelo governo da Austrália, com objectivo de controlar uma peste nas plantações de cana-de-açúcar no nordeste do país.O animal revelou-se um predador voraz dos répteis e anfíbios da região, tornando-se um problema a mais para os produtores, e não uma solução.



Reserva Natural do Estuário do Tejo

A Reserva Natural do Estuário do Tejo é a maior zona húmida do país e também uma das mais importantes da Europa.

O alfaiate é o símbolo da Reserva Natural do Estuário do Tejo pois é a espécie mais abundante.

Durante a época de migração a Reserva alberga cerca de 120000 aves entre as quais o flamingo, a águia-sapeira, o pato-real, a garça-real, o alfaiate …

A Reserva é também o habitat de vários peixes, moluscos, sapos e rãs.

Escola D. João I, André Daniel Rebelo Marques Nº6 6ºA

Cegonha




As cegonhas são aves migrantes da família Ciconiidae. As cegonhas têm cerca de 1 metro de altura e 3 kg de peso. O seu habitat é variado e a alimentação inclui pequenos vertebrados. São animais migratórios . As cegonhas não têm faringe e por isso não emitem sons vocais, emitem sons batendo com os bicos, actividade a que se dá o nome de gloterar.
Alimentação

Comem rãs, cigarras, cobras, insectos, minhocas e peixes.
Ana Rita Neto

Estuário do Tejo

Introdução:
O estuário do rio Tejo é a maior zona húmida do país, e da Europa Ocidental. É um dos mais importantes da Europa, um santuário para peixes, moluscos, crustáceos e, para aves que ali se alimentam.
Do Estuário sobrevivem mais de 35 espécies de mamíferos, 194 espécies de aves com presença regular, além de 9 espécies de répteis e 11 de anfíbios. É um local de maternidade para peixes e crustáceos, migradores ou sedentários, como o linguado, o robalo, o camarão-mouro, a lampreia, a enguia e o charroco. (uma espécie quase desaparecida, voltou a repovoar as águas do estuário do Tejo).


Biodiversidade:
Mudar comportamentos para preservar a biodiversidade do Estuário é hoje uma prioridade. No entanto, enquanto a pressão das actividades humanas teimar em crescer, iremos continuar a assistir a uma série de alterações no mundo que nos rodeia.
Nestes últimos anos, a redução e a extinção de espécies tornou-se uma polémica ambiental de grande destaque.
A degradação e a perda de habitat estão na origem dessa perda. As causas principais são: perda florestal, desenvolvimento agrícola, construção de barragens, poluição...
`

Devemos assim preservar o que é nosso, prevenindo o desaparecimento de muitas espécies que por exemplo vêm o Estuário de Tejo como uma ''casa''.

Escola D.João I, Ana Cláudia Saldanha Nº3 6ºA
Reserva Natural do Estuário doTejo

A Reserva Natural do Estuário do Tejo, criada em 1976, situa-se a Norte de Alcochete, ocupando uma superfície de 14.560 hectares, abrangendo uma extensa área de águas estuarinas, zonas de lamas e sapal, salinas, mouchões (da Póvoa, Alhandra e Lombo do Tejo) e terrenos agrícolas. Considerada uma das reservas naturais mais importantes da Europa, é a zona húmida mais extensa do país com uma grande biodiversidade e variedade de habitats e uma das maiores extensões contínuas de sapal. O estuário do Tejo funciona como local de cria para peixes, caso do Linguado e do Robalo. Para peixes migradores como a Lampreia, a Avelha e a Enguia o Tejo é local de transição entre o meio marinho e o fluvial. Devido à sua localização, esta zona húmida é um área de eleição para diversas espécies da avifauna. O Flamingo, a Águia-sapeira e o Ganso-bravo-comum, com populações variáveis, também frequentam estas paragens. Lontra, Touro, Rato-de-cabrera, Cavalo de lide, entre muitas outras espécies de mamíferos também habitam o território desta Reserva.Dentro da Reserva Natural do Estuário do Tejo foram demarcadas duas reservas integrais: a Reserva Integral do Mouchão do Lombo do Tejo, que visa a protecção da nidificação de algumas espécies, e a Reserva Integral de Pancas, da qual faz parte a maior mancha de sapal do estuário que se desenvolve entre a foz do Rio Sorraia e Alcochete. Num cenário paradisíaco único, a Reserva Natural do Estuário do Tejo faz com que Lisboa seja a única capital europeia a possuir, diante de portas, uma reserva natural desta importância. David Candeias .

Estuário do Tejo


O Estuário do Tejo

O estuário do Tejo é uma das zonas mais húmidas da Europa. No estuário do Tejo habitam várias espécies de aves que encontram as condições necessárias à sua sobrevivência.

Os Sapais

Os sapais são habitats de muitas espécies de animais, peixes, aves migratórias e micromamíferos (ratos, ratazanas e musaranhos).
Os anatídeos (marrequinha, ganso-bravo e piadeira) utilizam essencialmente a vegetação do sapal como fonte de alimento.
Trabalho realizado por: Bill Clinton Nº6 5ºC
Rafael Pereira Nº21 5ºC
Rafael Terêncio Nº22 5ºC

Estuário do tejo

Estuario do tejo

A Reserva Natural do Estuário do Tejo é uma Área protegida portuguesa.

O estuário do rio Tejo é a maior zona húmida do país e uma das mais importantes da Europa, um santuário para peixes, moluscos, crustáceos e, sobretudo, para aves, que nele se detém quando de sua migração entre o Norte da Europa e a África. É o maior estuário da Europa Ocidental, com cerca de 34 mil hectares, e alberga regularmente 50 mil aves aquáticas invernantes (flamingos, patos, aves limícolas, etc.).

trabalho realizado por yuri n*13 5*C escola d.joao.1

Estuário do Tejo


Estuário do Tejo
A Reserva Natural foi criada em 1976, abrangendo uma área de 14.192 hectares, caracterizada por uma extensa superfície de águas estuarinas, campos de vasas recortados por esteiros, mouchões, sapais, salinas e terrenos alucinares agrícolas.
Não excedendo os 11 metros acima do nível do mar e uma profundidade de 10 metros, distribuída pelos concelhos de Alcochete, Benavente e Vila Franca de Xira, a reserva insere-se na zona mais a montante do estuário do Tejo que, estendendo-se por uma área de cerca de 32 km2, é o maior da Europa Ocidental.
Nas margens do estuário desenvolve-se o sapal, cuja comunidade floristica vive sob a influência das águas trazidas pela maré.

Outras espécies:mergulhão-pequeno, corvo-marinho-de-faces-brancas, garça-boieira, garça-branca-pequena,garça-real, marrequinha, pato-real, peneireiro-cinzento, milhafre-preto, tartaranhão-ruivo-dos-pauis, águia-d'asa-redonda, águia-calçada, peneireiro-vulgar, galinha-d'água, borrelho-grande-de-coleira, tarambola-dourada, tarambola-cinzenta, abibe, narceja-comum, maçarico-de-bico-direito,perna-vermelha-comum, perna-verde-comum, maçarico-bique-bique, maçarico-das-rochas,rola-do-mar, guincho-comum, gaivota-d'asa-escura, garajau-comum, pombo-torcaz, coruja-das-torres, mocho-galego, coruja-do-mato, guarda-rios, poupa, cotovia-de-poupa, laverca,andorinha-das-barreiras, andorinha-dáurica, petinha-dos-prados, alvéola-amarela, alvéola-branca, cartaxo-comum, chasco-cinzento, fuinha-dos-juncos, rouxinol-bravo, trepadeira-azul,trepadeira-comum, picanço-real, gralha-preta, estorninho-preto, bispo-de-coroa-amarela,escrevedeira-de-garganta-preta, trigueirão


REALIZADO POR: Andreia fonseca

Monica Caleira
Ana Galado

estuario do tejo

Estuário do Tejo



Reserva Natural do Estuário do Tejo
A Reserva Natural do Estuário do Tejo, criada em 1976, situa-se a Norte de Alcochete, ocupando uma superfície de 14.560 hectares, abrangendo uma extensa área de águas estuarinas, zonas de lamas e sapal, salinas, mouchões (da Póvoa, Alhandra e Lombo do Tejo) e terrenos agrícolas. Considerada uma das reservas naturais mais importantes da Europa, é a zona húmida mais extensa do país com uma grande biodiversidade e variedade de habitats e uma das maiores extensões contínuas de sapal. O estuário do Tejo funciona como local de cria para peixes, caso do Linguado e do Robalo. Para peixes migradores como a Lampreia, a Savelha e a Enguia o Tejo é local de transição entre o meio marinho e o fluvial. Devido à sua localização, esta zona húmida é um área de eleição para diversas espécies da avifauna. O Flamingo, a Águia-sapeira e o Ganso-bravo-comum, com populações variáveis, também frequentam estas paragens. Lontra, Touro, Rato-de-cabrera, Cavalo de lide, entre muitas outras espécies de mamíferos também habitam o território desta Reserva.Dentro da Reserva Natural do Estuário do Tejo foram demarcadas duas reservas integrais: a Reserva Integral do Mouchão do Lombo do Tejo, que visa a protecção da nidificação de algumas espécies, e a Reserva Integral de Pancas, da qual faz parte a maior mancha de sapal do estuário que se desenvolve entre a foz do Rio Sorraia e Alcochete. Num cenário paradisíaco único, a Reserva Natural do Estuário do Tejo faz com que Lisboa seja a única capital europeia a possuir, diante de portas, uma reserva natural desta importância.
trabalho realizado por: Ricardo Formiga e Daniel Guerreiro 5C D.joaoI Baixa da Banheira

estuario do tejo

A biodiversidade pode ser traduzida pelas diferentes espécies de seres vivos que existem nos mais variados habitats. Assim, quanto maior o número de espécies existentes num determinado local maior a sua biodiversidade. Os termos biodiversidade ou diversidade biológica têm aumentado a sua frequência de utilização ao longo da última década (Rio Carvalho, 1996).Foi na Conferência do Rio em 1992 que se declarou que “...preservação da biodiversidade como um elemento fundamental para o desenvolvimento sustentável”, declarações que contribuíram para o aumento significativo dautilização deste termo em textos científicos, técnicos, legais e administrativos.A utilização generalizada destes termos tem feito corresponder-lhes múltiplos significados, o que resulta na desvalorização do seu significado original e na sua deficiente adaptação para designar outros conceitos que entretanto se acolheram sob esses nomes (Rio Carvalho, 1996).
trabalho editado por:
daniel duarte, filipe gouveia e renato lourenço
turma:c/ano:5º
Reserva natural do estuário do Rio Tejo
A Reserva Natural foi criada em 1976, abrangendo uma área de 14.192 hectares, caracterizada por uma extensa superfície de águas estuarinas, campos de vasas recortados por esteiros, mouchões, sapais, salinas e terrenos aluvionares agrícolas (lezírias).
Não excedendo os 11 metros acima do nível do mar e uma profundidade de 10 metros, distribuída pelos concelhos de Alcochete, Benavente e Vila Franca de Xira, a reserva insere-se na zona mais a montante do estuário do Tejo que, estendendo-se por uma área de cerca de 32 km2, é o maior da Europa Ocidental.
Nas margens do estuário desenvolve-se o sapal, cuja comunidade florística vive sob a influência das águas trazidas pela maré. Região de grande produtividade a nível de poliquetas, moluscos e crustáceos, constitui autêntica maternidade para várias espécies de peixes. Mas é a avifauna aquática que atribui ao estuário do Tejo a sua importância internacional. Os efectivos de espécies invernantes chegam a atingir cerca de 120.000 indivíduos. As contagens regularmente efectuadas indicam que invernam nesta Área Protegida mais de 10.000 anatídeos e 50.000 limícolas, das quais se destaca o alfaiate Recurvirostra avosetta, com um número que pode ascender a 25% da população invernante na Europa. Muitas outras espécies atestam igualmente a riqueza biológica e o valor para a Conservação da Natureza desta região: o flamingo Phoenicopterus ruber, o ganso-bravo Anser anser, o pilrito-de-peito-preto Calidris alpina e o milherango Limosa limosa.

joao honorio 5ºc D.João I baixa da banheira

Biodiversidade

Reserva Natural do Estuário doTejo
A Reserva Natural do Estuário do Tejo, criada em 1976, situa-se a Norte de Alcochete, ocupando uma superfície de 14.560 hectares, abrangendo uma extensa área de águas estuarinas, zonas de lamas e sapal, salinas, mouchões (da Póvoa, Alhandra e Lombo do Tejo) e terrenos agrícolas. Considerada uma das reservas naturais mais importantes da Europa, é a zona húmida mais extensa do país com uma grande biodiversidade e variedade de habitats e uma das maiores extensões contínuas de sapal. O estuário do Tejo funciona como local de cria para peixes, caso do Linguado e do Robalo. Para peixes migradores como a Lampreia, a Avelha e a Enguia o Tejo é local de transição entre o meio marinho e o fluvial. Devido à sua localização, esta zona húmida é um área de eleição para diversas espécies da avifauna. O Flamingo, a Águia-sapeira e o Ganso-bravo-comum, com populações variáveis, também frequentam estas paragens. Lontra, Touro, Rato-de-cabrera, Cavalo de lide, entre muitas outras espécies de mamíferos também habitam o território desta Reserva.Dentro da Reserva Natural do Estuário do Tejo foram demarcadas duas reservas integrais: a Reserva Integral do Mouchão do Lombo do Tejo, que visa a protecção da nidificação de algumas espécies, e a Reserva Integral de Pancas, da qual faz parte a maior mancha de sapal do estuário que se desenvolve entre a foz do Rio Sorraia e Alcochete. Num cenário paradisíaco único, a Reserva Natural do Estuário do Tejo faz com que Lisboa seja a única capital europeia a possuir, diante de portas, uma reserva natural desta importância.
David Candeias. 5ºC D.João I Baixa da Banheira.

A BIODIVERSIDADE


A Biodiversidade


A biodiversidade ou a diversidade biológica é da natureza vida.

A biodiversidade pode ser definida como a variedade e a variabilidade.

A natureza

A Natureza





A natureza e dos bens mais preciosos que existe na Terra.



E nao a devemos desperdiçar!